Coluna: Prata da Casa – Rodrigo Almeida

Sim, vale a pena sonhar!

Não é segredo que o Paineiras mantém um programa bem amplo de inclusão de jovens no mercado de trabalho. Há anos o Programa Jovem Aprendiz oferece centenas de oportunidades para adolescentes em busca de seu primeiro emprego e de um futuro promissor. Esse foi o caso de Rodrigo Almeida, nosso prata da casa nesta edição.

Foto Prata da Casa 2 1

Com apenas 24 anos, Rodrigo tem uma longa história no clube que serve de inspiração e exemplo a qualquer jovem no começo da vida. Aos 14 anos, após ouvir os amigos que já trabalhavam no Paineiras, decidiu tentar a sorte para uma vaga como Jovem Aprendiz. E não é que acabou sendo chamado para uma entrevista e bingo, conseguiu a vaga.

Como Jovem Aprendiz, Rodrigo atuou por dois anos principalmente dando suporte aos professores de tênis nas quadras, o que lhe permitiu aprender as regras do jogo e se arriscar em partidas com os colegas. Segundo Rodrigo, havia muitas conversas com os professores que davam conselhos valiosos sobre postura profissional e dedicação. E claro, sempre reforçavam aos jovens a importância dos estudos: “Esta experiência me ensinou muito sobre comprometimento, que não podemos fazer tudo que queremos na hora em que queremos, que existem regras a serem cumpridas e que é preciso cooperar com os demais”, revela.

Durante o período de recesso das aulas, ele também tinha a oportunidade de atuar em outras áreas. Passou pelo Marketing, RH, Esportes, Financeiro dando suporte em atividades gerais. Segundo ele, isso foi bom para ter uma visão mais ampla e se sentir seguro na escolha profissional. Mas desde muito jovem, era a advocacia que fazia brilhar seus olhos: “Sempre me senti atraído pelo direito. Eu via as novelas com a minha avó e sempre me chamavam a atenção os personagens de advogados, pensava que gostaria de ser igual”, relembra.

Após o término de seu contrato como Aprendiz, Rodrigo foi contratado para atuar no Marketing, onde passou um ano. A transição para a área Jurídica veio por meio de um convite de um diretor da área.  Quando abordado, Rodrigo não titubeou e ainda cursando o colegial, passou a auxiliar nas rotinas administrativas do jurídico. Com o término do ensino médio, prestou vestibular e ingressou na faculdade de direito e, então universitário, tornou-se assistente jurídico, lidando mais proximamente com assuntos legais como acompanhamento de processos. Após cinco anos, com o término do curso de direito, um contratempo: devido à pandemia, teve que adiar em um ano os planos de prestar o exame da Ordem dos Advogados do Brasil: “Logo que aconteceu a primeira prova da OAB depois da pandemia, fiz e passei e, em seguida, fui promovido a advogado”, comemora Rodrigo orgulhoso.

Hoje, o agora “Dr. Rodrigo” se divide entre muitas atividades jurídicas como o gerenciamento de processos contenciosos, analisa defesas, além de responder às inúmeras consultas jurídicas internas.

Dez anos depois, Rodrigo se emociona ao fazer um balanço de sua longa trajetória no Paineiras: “É engraçado, passa um filme na minha cabeça, principalmente quando eu vou ao Esportes, encontro os professores de quando eu trabalhava lá, penso que já fiz parte daquilo e vejo que tudo que você quer na vida você pode conseguir. Se eu era Jovem Aprendiz e em dez anos, que é pouco tempo, já passei por tudo isso, o menino que está lá hoje e sonha em ser médico, advogado, engenheiro, também pode conseguir. É só seguir com foco, determinação e o apoio da família”.

Sobre o Paineiras, Rodrigo diz que é grato pois foi quem lhe deu a primeira oportunidade: “Se não fosse o Paineiras, eu não estaria aqui hoje, nem sei se seria advogado. O clube abriu as portas pra mim e abre pra vários outros”. E antes de terminar, Rodrigo deixa uma mensagem ao todos os jovens: “Eu trabalhava como Jovem Aprendiz e hoje represento o clube como advogado em diversas situações. Não desistam de seus sonhos e objetivos, tenham força de vontade porque nada é fácil. Mas vale a pena”.

Leia também: